Diário de viagem pelo Cáucaso: Capítulo Geórgia

August 16, 2019

 Foto da capital da Geórgia Tbilisi 

 

Em terras tão distantes encontrei Clarice Lispector. Nino ama Clarice, seu espírito e suas palavras; a entende em complexos ângulos e a traduz com tinta de preocupação com a alma feminina. Pelos livros e música brasileira Nino, guia da Caucasus Travel, e colaboradora da empresa, estuda português com a seriedade necessária para dominar nosso idioma tão distante da língua falada por essas terras, e o faz com maestria. Em português do Brasil, conta as histórias centenárias desse país, cristão Ortodoxo, conquistado, dividido e ocupado por tantas vezes, mas sobrevivente, entre a Rússia, Irã, Turquia, Armênia e Azerbaijão. Nas horas vagas, Nino também traduz Clarice para o idioma georgiano, para ser publicado em seu país.

 

Nino ama a Geórgia e o Brasil 

 

Hoje, 20% do território da Geórgia é ocupado pelos russos. Em 2008 deu-se o conflito armado mais recente entre esses dois países quando os russos presentes na Ossétia do Sul, bombardearam georgianos, provocando uma contraofensiva do país. Após poucos dias de conflito, um cessar-fogo, com intermediação francesa, foi assinado. Até hoje, os russos permanecem nesse área,  ocupando-a sem reconhecimento internacional. Abcásia é outra região ocupada pelos russos. 

 

A Geórgia tem um alfabeto próprio, mas, todos nascidos até os anos 80, falam russo. "Fomos obrigados", diz Wladimir. Um historiador que hoje em dia é guia, sobreviveu a repressão soviética em sua juventude. Wlad, exibe em seu olhar, generosidade e serenidade, em contraste do seu passado marcado por perseguições nos tempos soviéticos. Sua voz calma e seu espanhol fluente, muda de tom quando o assunto é Stálin. Wlad relata que o ditador soviético, nasceu na cidade de Gori, em uma casa simples, na qual, ao redor, ergueu-se um museu em sua homenagem. Stálin, nome "revolucionário" que significa homem de ferro, inclusive estudava em um monastério antes de ser o mandatário máximo do Império Bolvechique, mas foi expulso devido a seu comportamento controverso.  

 

Casa onde o Ditador Stálin passou a sua infância 

 

Aposentos de Stálin em seu trem blindado 

 

Com Wladmir e Nino visitei várias vinícolas. A principal rota do vinho da Geórgia está em Kakheti, a leste de Tbilisi, porém, se produz vinhos em vários lugares do país. A produção é milenar: macera-se a uva e esse suco com cascas e caroços, é depositado em jarros de barro e enterrados, assim, conserva-se a temperatura e aguça-se suas propriedades. Esse modo de produção permanece vivo e é típico dessas terras. A Geórgia, seus costumes e sua gente entregam um dos melhores vinhos do mundo, exportado principalmente para países vizinhos.

 

Na vinícola Shilda em Kakheti, roda dos vinhos: jarros de produção de vinho 

 

Eu com o Wladimir na fronteira entre Geórgia e Armênia 

 

Na Geórgia também estive com a Tamara. Doce como a própria fruta e com cara de amiga de infância, seus 34 anos nos colocaram em um patamar de vida similar. Caminhamos por montanhas, entramos em mosteiros e igrejas, passeamos pela linda Borjomi, seu parque natural e bebemos suas águas terapêuticas vindas direto de subterrâneos vulcânicos hoje inativos. Tamara também me apresentou Vardzia, um dos lugares mais visitados na Geórgia. Durante muitos anos, inclusive, foi o centro do país e está, em uma montanha às margens do Rio Kurà, o mais importante da Geórgia. Essa cidade, escavada nas montanhas, tem uma linda catedral. Ali dentro se vê afrescos dos séculos de ouro da Geórgia, XI - XII, durante o governo da "King Tamara". Sim, ela era uma mulher, mas, a história conta que liderava exércitos como ninguém, daí a chamarem naqueles tempos de rei. 

 Vardzia 

 

Também visitamos o Parque Nacional de Kazbegi. Esse conjunto de montanhas faz parte do Grande Cáucaso e inclusive há um glaciar conhecido como véu de noiva. No topo de uma das montanhas, há 5.047 metros do nível do mar, como um farol de observação e proteção está a Gergeti Trinity Church, uma construção do séc. XV. Daqui, sem dúvida, se tem uma das mais belas paisagens que vi no país.

 

Tamara e eu em Akhaltsikhe no Sudoeste da Geórgia 

 

A Geórgia é um país de mosteiros, igrejas seculares, uma capital capaz de combinar tradição e modernidade como poucas, vinho e gente. Gente que dança, canta, sorri, abraça, sonha apesar de todas as mazelas, guerras e dominações sofridas durante sua longa história. Luta para preservar suas tradições e sonha com o ingresso na União Europeia e por liberdade. Nesse relato, tentei fazer uma homenagem a aqueles que durante dias dão o seu melhor durante a nossa viagem: os guias que fazem a despedida de um país ser ainda mais difícil. Viajar é sobre lugares e pessoas. Essa combinação faz o charme de uma viagem e nos impulsiona a continuar explorando. Acompanhe os próximos capítulos desse diário: Armênia e Azerbaijão. 

 

Para receber modelos de roteiros e mais informações entre em contato: caroline@duonetwork.com.br 

 

Cotações personalizadas: nino@caucasusluxury.travel (a guia aqui relatada) & eka@caucasusluxury.travel (atendimento em inglês, português e espanhol).

 

 

Caucasus Travel DMC representado no Brasil pela DUO Network possui empresas sócias na Armênia e no Azerbaijão. Foca em roteiros de alto padrão, sob medida. Conta com guias que falam português, espanhol e  inglês. Desde 1991 opera viagens nos países do Cáucaso do Sul. 

 

 

 

 

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

DUO Network África: Matizes

August 24, 2020

1/1
Please reload

Posts Recentes

November 16, 2019

Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags